Archive for 17 de agosto de 2007

Fortaleza, CE – Teatro das Marias

Nesta sexta, 17.08.2007, a partir das 20h, o Teatro das Marias, espaço cultural da Cia. Vatá (CE), estará aberto para receber o grupo Cocos do Norte. Couvert artístico a R$ 5. O Teatro das Marias fica na Rua Senador Almino, 233 A, entre Mons. Tabosa e José Avelino (na rua do Noise e do Hay Ho).

Anúncios

Rio, RJ – Off-Tap – Contemporâneo

Matéria de Suzana Velasco no Segundo Caderno de O Globo de ontem, 16.08.2007, sobre o espetáculo de Ivaldo Bertazzo no Rio:

‘Mar de gente’ de todo e qualquer lugar
Fernanda Montenegro participa de espetáculo do coreógrafo Ivaldo Bertazzo, que dá caráter teatral à dança

Primeiro a Índia, depois a África e, agora, o mundo todo. Ivaldo Bertazzo volta os olhos e os corpos dos bailarinos para a evolução da Humanidade em seu novo espetáculo, “Mar de gente”, que estréia hoje [16.08.2007], às 19h, no Teatro Carlos Gomes. É a terceira produção do coreógrafo e educador do movimento com os jovens do projeto Dança Comunidade, e a primeira da recém-fundada Companhia TeatroDança Ivaldo Bertazzo.

Além dos gestos mais teatralizados — porém, segundo o coreógrafo, fugindo da estereotipia —, “Mar de gente” conta com a ilustre participação de Fernanda Montenegro, que está longe do teatro há seis anos.

Não é propriamente uma volta à dramaturgia. A atriz faz cinco pequenas intervenções antes de cada bloco de coreografias, interpretando textos de Andréa Bassit sobre a (im)permanência do ser humano, suas origens e seus destinos.

— O que eu faço é uma visita, um pouco mais do que uma simples vinheta antes de cada dança — explica Fernanda, que há muitos anos acompanha o trabalho social de Bertazzo. — Vejo a disciplina que ele imprime no elenco e a humanidade com que organiza essas pessoas. Ele parte do princípio de que todo mundo dança e pode dançar, indiscriminadamente. Para mim, não deixa de ser uma experiência conseqüente do ponto de vista social.

— Fernanda vinha ao teatro e ficava conversando com os bailarinos, queria que eles valorizassem o momento pelo qual estavam passando — conta Bertazzo. — Em “Mar de gente”, ela acentua uma idéia simbólica dos gestos, mas não dirige o pensamento do público.

Os 30 bailarinos ainda não falam em cena, mas, segundo o coreógrafo, caminham para isso. De comunidades carentes, eles vêm se formando com Bertazzo há quatro anos, desde que ele criou o projeto vinculado a sete organizações nãogovernamentais de São Paulo.

Depois de terem dançado nos espetáculos “Samwaad — Rua do encontro” (2004), com referências à Índia, e “Milágrimas” (2005), que unia Brasil e África, eles evoluíram e, hoje, são vistos como profissionais por Bertazzo, prontos para dar corpo a uma companhia — e ser avaliados como tal.

— Se o público perceber que o bailarino é da periferia, o espetáculo está furado. Essa condição deve ser esquecida — afirma ele, acrescentando estar em busca de uma criação teatral mais completa, e citando grupos identificados com a dramaturgia, e não com a dança. — É uma procura do teatro musical brasileiro. Aquele teatro que começou na Urca e se manteve até a ditadura, com o Opinião, o Arena. A gente tem que capacitar o jovem para cantar e dançar, para ter pleno conhecimento do uso do palco, de suas linhas e volumes.

Em “Mar de gente”, apesar de a busca ser pelo homem universal, Bertazzo utiliza muitas referências de gestos e músicas do Leste Europeu, de diversas épocas.

Estão ali uma peça tcheca de Leos Janacek, uma canção húngara de Marta Sebestyen e a música cigana contemporânea do Les Yeux Noirs, além de sons da Bulgária, da Rússia e também do Egito. No figurino de Fábio Namatame, há um tom folclórico, mas as roupas, segundo Bertazzo, poderiam ser de habitantes do Paquistão ou de Juazeiro do Norte; de qualquer lugar do mundo.

— Nada mais tem herança, nada mais tem continuidade. Por isso a gente é finito. A única coisa que faz o homem não perecer é o imaginário — diz Bertazzo, que fará um workshop, na semana que vem, para terapeutas, educadores e profissionais da dança, do teatro e dos esportes. — A herança cultural é para quem quiser, não tem dono. Existe música nordestina com raiz bretã. O segredo é não se fechar. Nesse espetáculo, os homens são de qualquer lugar do mundo.

Em São Paulo, “Mar de gente” contou com a participação da atriz Denise Del Vecchio e, em Belo Horizonte, com Yara de Novaes. Mas Bertazzo diz se sentir estreando no Rio, onde recebe um público cativo, que o acompanha desde os anos em que, na cidade, trabalhou com o Corpo de Dança da Maré. À intimidade com o Rio soma-se a descontração de Fernanda Montenegro, que diz estar “solta” no palco.

— Um amigo me perguntou se eu não queria brincar com ele — diz a atriz, mostrando como vem encarando a experiência. — É um companheirismo de gente vocacionada que se encontra pela vida. O palco é um lugar bonito, o convite foi bonito e a boniteza é uma coisa confortadora.

Tap Fotos – Manhattan Tap

Fonte: internet.

Recife, PE – Jazz Festival

A quinta edição do “Jazz Festival” vem acontecendo em Brasília, Rio, Belo Horizonte, Recife e São Paulo desde 07 de agosto de 2007, e agora segue para outras capitais:

– Aracaju – de 17 a 19.08.2007, R$ 50, vendidos no próprio Teatro Tobias Barreto, no Shopping Jardins e na loja Ellus.

– Belém – 22 e 23.08.2007, na Usina do Gasômetro (Parque da Residência), com ingressos a R$ 50.

São Paulo, SP – Off-Tap – Intrépida Trupe

Da Folha Online em 15.08.2007:

Intrépida Trupe comemora aniversário de 20 anos com espetáculo em SP – A cia. carioca comemora 20 anos de existência com a montagem “Metegol”, que será apresentado na próxima sexta-feira (17), às 21h30, no teatro Santa Cruz, em São Paulo.

Leia mais aqui.

Tap Brasil – Resumo do Programa 002

Foi ao ar nesta quinta, 16.08.2007, ao vivo e com todo o gás, a segunda edição do programa Tap Brasil. Entre os diversos tópicos abordados:

– leia mais sobre Gregory Hines, tema desta segunda edição da seção “Memória do Tap”, na página especial do portal do Divulgando a respeito deste grande mestre e multiartista, clicando aqui, onde você encontra inclusive muitas fotos e os títulos dos filmes de Hines citados no programa de hoje.

– mais sobre o “Brasil Internacional Tap Festival” no post do Divulgando de 15.08.2007.

– informações sobre o curso de Juana Navarro em Salvador, clicando no post do Divulgando de 14.08.2007.

– dados sobre a turne do Jazz Festival pelo Brasil, em diversos posts do Divulgando, incluindo o de 13.08.2007.

– sobre a apostila de sapateado da mestra Cíntia Martin, visite a TapWeb Cíntia Martin para saber como adquirir “Toques – Vivendo, Aprendendo e Ensinando o Sapateado” pelo correio, através de depósito bancário. Clique no botão “Apostila”. O email de Cíntia é cintiatap@globo.com

– da mesma forma, na homepage de Flávio Salles você pode saber mais sobre como adquirir o livro “Tap – A Arte do Sapateado”: visite o site da Academia do Tap. O email do Flávio é flaviotap@uol.com.br

Mande seu email para enviar sugestões e opiniões e não perca o programa da próxima quinta, 23.08.2007, na Rádio JD:

http://www.jornaldadanca.com.br
http://radiojd.com.br

E uma novidade: se você perdeu por algum motivo esse segundo programa, em breve estarão disponíveis, para ouvir pelo site da rádio, todas as edições. Aguarde.

%d blogueiros gostam disto: