Archive for 30 de agosto de 2007

Tap Brasil – Resumo do Programa 004

Foi ao ar nesta quinta, 30.08.2007, ao vivo e cheio de atrações, a quarta edição do programa Tap Brasil. Entre os diversos tópicos abordados:

– leia mais sobre Cholly Atkins e Honi Coles, tema desta quarta edição da seção “Memória do Tap”, na página especial do portal do Divulgando a respeito deste sgrandes mestres, clicando aqui para ler um boletim de 25.04.2003 sobre a vida de Mr. Atkins na época do seu falecimento.

– sobre Mr. Honi Coles, leia uma seção inteira sobre a sua vida e carreira na apostila de sapateado da mestra Cíntia Martin: visite a TapWeb Cíntia Martin para saber como adquirir “Toques – Vivendo, Aprendendo e Ensinando o Sapateado” pelo correio, através de depósito bancário. Clique no botão “Apostila”. O email de Cíntia é cintiatap@globo.com

– mais sobre o “Brasil Internacional Tap Festival” no post do Divulgando de 15.08.2007.

– na homepage de Flávio Salles você pode saber mais sobre como adquirir o livro “Tap – A Arte do Sapateado”: visite o site da Academia do Tap. O email do Flávio é flaviotap@uol.com.br

Mande seu email para enviar sugestões e opiniões e não perca o programa da próxima quinta, 06.09.2007, na Rádio JD:

http://www.jornaldadanca.com.br
http://radiojd.com.br

E se você perdeu por algum motivo esse quarto programa, em breve estarão disponíveis, para ouvir pelo site da rádio, todas as edições. Aguarde.

Amanhã colocarei os links para os vídeos de todos as músicas apresentadas no programa.

Anúncios

Tap Fotos – Savion Glover e Jimmy Slyde

Fonte: internet.

Rio, RJ – Off-Tap – Cultura no Rio

Reportagem de Rodrigo Aör, Jornal do Brasil, hoje, 30.08.2007:

A síndica do Municipal

Adriana Rattes assume Secretaria de Cultura, diz que administração está inchada e defende o teatro, “a menina dos olhos deste país”

O Teatro Municipal é, definitivamente, a estrela da nova secretária estadual de Cultura, a carioca Adriana Rattes, 43 anos, que, ontem, ressaltou seu carinho pela instituição durante sua posse, nos jardins do Palácio Guanabara. Em seus planos estão o saneamento e a reforma da casa para as comemorações do centenário, em 2009. Calcanhar-de-aquiles da gestão de Luiz Paulo Conde, ex-titular da pasta, a administração do teatro quase foi entregue à Prefeitura do Rio na semana passada. Sócia do grupo Estação e uma das organizadoras do Festival do Rio, Adriana faz a seleção de filmes para a mostra Première Brasil, cuja programação de 2007, em setembro, acaba de ser anunciada (leia abaixo).

– O projeto de transferência do teatro ao município está suspenso para que sua real situação seja estudada. Minha prioridade é resolver os problemas emergenciais, como a renovação dos contratos dos bailarinos. Mas, a médio prazo, redefinirei o papel da Secretaria de Cultura – disse Adriana, contando que não estaria tomando posse se não tivesse passado muitas tardes com a mãe no Municipal.

O carinho é recíproco. Durante a cerimônia, da qual participaram o governador Sérgio Cabral, o secretário municipal das Culturas, Ricardo Macieira, e personalidades como o fotógrafo e cineasta Walter Carvalho, o coro do teatro e alguns de seus instrumentistas executaram o Hino Nacional, as Bachianas nº5, de Villa-Lobos, e o tema do filme Cinema Paradiso, de Giuseppe Tornatore. A apresentação, uma iniciativa dos artistas, emocionou a secretária, que foi bailarina na adolescência.

Com um vestido preto até os joelhos e uma echarpe verde, que motivaram elogios do governador (“ela tem um charme doce”), Adriana expôs algumas de suas idéias, como a criação de um tíquete para democratizar o acesso à cultura, a instalação de núcleos de incentivo à arte nas escolas da rede estadual de ensino. Citou também a necessidade de parcerias com a iniciativa privada para a operação dos equipamentos culturais do Estado, a exemplo do que ocorre na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, onde o Estação explora três salas de cinema. Um suposto conflito de interesses devido à sua atuação no grupo Estação foi descartado.

– A empresa não concorrerá a qualquer benefício dado pelo governo no período em que eu estiver na Secretaria – disse. – Os pedidos de incentivo já encaminhados serão cancelados. Mas a parceria na Laura Alvim será mantida, já que é o Estação que paga ao governo. Acho hipócrita a idéia de transferir minhas cotas na empresa a um parente ou “laranja”.

Filha do ex-prefeito de Petrópolis, Paulo Rattes, e da ex-deputada federal Ana Maria Rattes, Adriana foi criada na cidade serrana até o início dos anos 80, quando se mudou para o Rio para cursar a faculdade de Ciências Sociais na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com amigos cinéfilos, fundou, em 1986, o Cineclube Estação Botafogo, que, mesmo voltado para os chamados filmes de arte, viraria um dos maiores grupos de exibição de cinema do país. A secretária tem dois filhos e é separada.

Rádio JD – Nesta Quinta, Tap Brasil

Hoje tem ! Nesta quinta, 30.08.2007, vocês já sabem: o encontro marcado é com o “Tap Brasil”, sapateado nas ondas da rede sempre às quintas, das 18h às 19h. Para assistir, basta entrar em um dos sites do Jornal da Dança e da Rádio JD:

http://www.jornaldadanca.com.br
http://radiojd.com.br

Na TV – Off-Tap – Jazz

Para os amantes do jazz, que sempre teve tudo a ver com o sapateado, uma reportagem de Fabricio Vieira para a Folha sobre um programa na “Films & Arts” da TV a cabo:

Especial explica jazz de Wynton Marsalis

Um dos mais conhecidos músicos da cena contemporânea do jazz, o trompetista norte-americano Wynton Marsalis, 45, não chega a ser uma unanimidade entre críticos e público. Se sua técnica e domínio do instrumento não são questionados, sua defesa intransigente do resgate e culto da tradição no jazz, e a conseqüente repulsa às linguagens mais experimentais, faz muita gente torcer o nariz para o músico e suas idéias.

Tendo como enfoque um de seus últimos trabalhos -o álbum “From the Plantation to the Penitentiary”-, o programa “Arts & Minds” dedicado ao famoso trompetista, que passa hoje à noite, prefere deixar de lado essas polêmicas.

O programa se inicia com um rápido panorama da carreira do músico para depois dar a palavra a Marsalis, que explica a idéia por trás de cada uma das sete composições presentes no disco, lançado em março deste ano.

Mais do que sobre música, Marsalis fala longamente sobre a condição do negro nos Estados Unidos, do período escravocrata aos dias atuais, e como essa questão serve de inspiração para sua obra. Além de trompetista e compositor, Marsalis também dá aulas e lidera a Lincoln Center Jazz Orchestra, com a qual se apresentou no Brasil em 2005.

ARTS & MINDS: WYNTON MARSALIS
Quando: hoje, às 21h – Onde: Film & Arts

Rio, RJ – Off-Tap – Teatro em Setembro

A coluna “Estréias de setembro” de Macksen Luiz para o Jornal do Brasil desta quinta, 30.08.2007, tem vários espetáculos de teatro entrando em cartaz no Rio em setembro de 2007:

7 – A dupla Cláudio Botelho e Charles Möeller lança musical baseado em contos de fadas e lendas, com música de Ed Motta. Com 15 atores, que incluem Alessandra Maestrini, Ida Gomes, Zezé Motta e Cristiano Penna, e seis músicos, a montagem tem como cenário um Rio surpreendente. Segundo os autores, é “um tratado sobre a inveja”. Teatro João Caetano, neste sábado.

Pequenos milagres – O Galpão de Belo Horizonte concentrou-se em quatro histórias selecionadas entre mais de 600 recebidas pelo grupo para compor a dramaturgia da montagem de Paulo de Moraes. São histórias sobre o homem comum e as tragédias do cotidiano. Teatro Sesc-Ginástico, dia 8.

Último drink – A falta de comunicação de um casal é o ponto de partida desta comédia de Regiana Antonini, dirigida por Marcelo Novello. Cia de Teatro Contemporâneo, neste sábado.

O homem provisório – Sob a inspiração de Grande sertão: veredas, Cacá Carvalho orquestra esta saga sertaneja com ambientação visual poética e rude, reunindo equipe brasileira e italiana. Espaço Sesc, dia 5.

Centenárias – Escrita por encomenda de Marieta Severo e Andréa Beltrão por Newton Moreno, o mesmo autor de delicado Agreste, a peça, utiliza o humor na história de duas carpideiras que tentam driblar a morte. Com direção de Aderbal Freire-Filho, as atrizes interpretam personagens que circulam pelo universo mítico do Nordeste. Teatro Poeira, dia 6.

O bem-amado – A peça de Dias Gomes, transformada em novela e seriado de televisão, foi adaptada por Guel Arraes e Cláudio Paiva para esta montagem, assinada por Enrique Diaz. No papel de Odorico Paraguaçu, Marco Nanini, e no elenco, a Cia dos Atores. Teatro das Artes, dia 7.

Anticlássico – Com o subtítulo de “Uma desconferência e o enigma vazio”, esse texto de Alessandra Colasanti, que também é sua única intérprete e diretora, se define como uma “falsa palestra, com direito a coffe break e perguntas da platéia”. Espaço Sesc, dia 7.

Dois perdidos numa noite suja – O “clássico” de Plínio Marcos volta com direção da dupla Joana Levy e Laila Garin, com Leonardo Ventura e Marcelo Valente, para registrar os 40 anos da estréia do texto no Rio. Mezanino Espaço Sesc, dia 11.

Nossa vida não vale um Chevrolet – O texto do paranaense Mário Bortolotto, que foi visto em versão do autor no riocenacontemporâneo, há três anos, volta em montagem assinada por Francis Mayer. Teatro Posto Seis, dia 14.

%d blogueiros gostam disto: