Archive for 14 de maio de 2008

Cinema – Off-Tap – Dez Anos sem Frank Sinatra

Apesar de não ser por excelência um sapateador, o excepcional cantor, ator premiado com o Oscar e grande celebridade mundial Frank Sinatra participou de diversos filmes protagonizados por nomes como Gene Kelly (“Marujos do Amor”, de 1945, é um bom exemplo).

Neste 14 de maio de 2008, a saudade de Frank Sinatra completa 10 anos.

Leia mais sobre este grande artista…

… no Wikipedia
… em sua ficha no IMDB
… em matéria do Terra de 14.05.2008.

Abaixo, vídeo onde Sinatra canta com o também inesquecível Tom Jobim.

Anúncios

Caraguatatuba, SP – Litoral em Dança 2008

Resultados da competição de sapateado do festival Litoral em Dança 2008, realizado recentemente na cidade de Caraguatatuba:

Sapateado – JUVENIL I
– 1o. lugar = Mônica Dance Center / Coreografia = No Compasso das Flores
– 2o. lugar = Não houve
– 3o. lugar = Escola de Dança Mariam Guimarães / Coreografia = Girl’s Nigth

Sapateado – JUNIOR
– 1o. lugar = Cia Feeling de Dança / Coreografia = Íntimo
– 2o. lugar = Grupo de Sapateado Regina Dell’Aquila / Coreografia: Raizes Nordestinas
– 3o. lugar = Não houve

Demais modalidades: clique no site oficial.

São Paulo, SP – Off-Tap – Majushaka, Grátis

Da Folha Online:

Espetáculo de dança japonesa apresenta “kabuki moderno”

O grupo japonês de dança Manjushaka faz duas únicas apresentações do espetáculo “Dança dos Deuses”, nesta quarta-feira (14), às 15h e às 19h30, no Sesi Vila Leopoldina. A entrada é franca.

O Sesi Vila Leopoldina apresenta o grupo japonês de dança Manjushaka, em 14 de maio
Pela primeira vez no Brasil, a passagem do grupo pelo país integra o calendário cultural comemorativo ao centenário da imigração japonesa.

As danças e o figurino colorido dos 25 integrantes do Manjushaka renderam ao grupo a classificação de kabuki moderno– um gênero teatral em que os atores cantam e dançam com elaboradas maquiagens e figurinos. A coreografia é criada pela líder do grupo, Emi Mori, mais conhecida como Mama Rosa, que já atuou como designer de moda. Mori fundou o grupo em 1995.

O nome do grupo vem de uma antiga lenda japonesa, na qual manjushaka é uma flor branca que cresce no paraíso e que tem o poder de afastar maus espíritos. Já o nome Mama Rosa foi dado por crianças da antiga União Soviética, que a viram no palco usando um quimono cheio de rosas.

Centro Cultural Sesi Vila Leopoldina (www.sesisp.org.br)
R. Carlos Weber, 835, Vila Leopoldina, (11) 3834-5523. Grátis.

Rio, RJ – Off-Tap – Waterwall

Matéria de Rubia Mazzini para o jornal O Dia, RJ, em 11.05.2008:

Ex-ginásta brasileiro é destaque em espetáculo ‘Waterwall’

Buenos Aires (Argentina) – Um brasileiro radicado na Europa há oito anos é uma das estrelas da companhia italiana Materiali Resistenti, que quarta-feira chega ao Rio, no Citibank Hall, com um espetáculo, no mínimo, curioso. Em ‘Waterwall’, o paulistano Luis Augusto Mancini, de 28 anos, dança e faz acrobacias sob uma cascata de 20 mil litros d’água, que jorra de uma engenhoca metálica. O show é criação do coreógrafo Ivan Manzoni, que já teve seu trabalho comparado ao de Deborah Colker.

Em uma hora de apresentação, Luis Augusto e outros 15 bailarinos deslizam pelo solo molhado, escalam a cachoeira presos em cordas, saltam e mergulham no reservatório de água que fica sob o palco.

Os movimentos são executados ao som de uma poderosa combinação de música eletrônica e iluminação multicolorida. Luis Augusto, que está no grupo desde 2004, diz que esse é o trabalho mais difícil e perigoso de que já participou.

“Temos muito trabalho aéreo e de solo, tudo somado com a água. É preciso muita atenção para não se machucar”, afirma. Numa apresentação na Grécia, lembra ele, saiu do palco com estiramento de tendão nos dois pés. Por conta do risco freqüente de acidentes, o treinamento do elenco, que mistura bailarinos e ginastas de várias nacionalidades, é superpuxado.

“Além dos ensaios, há uma integração com a equipe técnica, que também dá duro para garantir a nossa segurança em cena”, observa ele, que começou a carreira como ginasta ainda criança (e chegou a ser vice-campeão brasileiro de saltos ornamentais, em 1996), mas também aprendeu a dançar desde cedo. “Eu mamei dança”, brinca o rapaz.

Seu momento preferido em ‘Waterwall’ acontece quase no fim, quando ele e outro bailarino ‘surfam’ sobre duas pranchas. É um dos poucos números em que os dançarinos trocam parte do figurino de neoprene — macacão, luvas e sapatilhas de mergulhador, que evitam escorregões — por bermudas floridas. “É muito divertido, a música fica mais agitada e a gente dá vários saltos”, conta Luis Augusto, garantindo que só ficou gripado por causa do espetáculo uma vez e que, sim, todos tomam banho depois da função: “Claro, aí rola sabonete e xampu, né”.

%d blogueiros gostam disto: