Archive for 26 de maio de 2011

Lembrando sempre de Flávio Salles

Por questões de trabalho/distância, infelizmente não pude dar meu último adeus ao mestre Flávio Salles. Mas lembrarei dele sempre vivo, muito vivo, dando aulas, passando ensinamentos sem limitações e alegria multiplicada.

Além dos 2 posts/homenagens que já publicados, estou pensando em fazer mais um em breve, para preencher mais ainda com a luz vívida de Flávio aqui no nosso blog.

A ideia é: quem desejar mandar uma foto sua com Flávio (onde quer que seja, sala de aula ou não) que relembre a vivência com o mestre, terei o prazer de acrescentar a este novo post a ser publicado dentro de alguns dias. Mandem com identificação do seu nome (e se possivel da data ou do evento) para

divulgandotap@gmail.com

Terei enorme prazer em, em breve, fazer este grande mural de tap-alegria aqui, em um novo post em breve. Toda homenagem a Flávio é insuficiente: o importante é nunca esquecermos os grandes mestres…

Anúncios

Homenagem de Cíntia Martin a Flávio Salles

Abaixo, uma mensagem escrita hoje [26.05.2011] pela mestra carioca Cíntia Martin em homenagem ao grande mestre Flávio Salles, que faleceu ontem, 25.05.2011 (leia a respeito clicando aqui):

Com extrema tristeza recebi a noticia do falecimento de Flávio Salles. Flávio foi um grande Mestre, dedicou sua vida e alma a arte do sapateado, com uma capacidade inifinita para ensinar e formar grandes sapateadores, ou admiradores da arte do sapateado. Ajudou e foi essencial para o crescimento do nível do sapateado no Brasil, com sua técnica limpa e sua incrível didática. São poucas as pessoas que são capazes de ensinar com tamanha destreza e desnudez, cedendo sua alma ao aluno, e Flavio era e foi uma dessas pessoas.

Me lembro quando estava com meus 17 anos, passando por uma transição no meu aprendizado com Tia Pat Thibodeaux; o Flávio lecionava na UNIC, e às vezes substituia Tia Pat. Por vezes tive aulas com ele naquela ocasião, e como “sofri” em sua mão, sofri no bom sentido, pois ele queria que eu desse o melhor de mim, exigia o máximo de qualidade em meus sons e técnica, era um desafio tremendo para mim.

Alguns meses, antes em um Congresso Internacional de Dança com os gemeos Rennie e Rhee Gold, e eu sofria com a transferência de peso, com os “Toe Drops”, o que era algo novo para mim… Vi o Flávio flutuar na aula com tamanha facilidade que pensei: “De onde saiu essa pessoa ?”. Meses se passaram, eu o vi no “Sapato Musical”, e a partir daquele momento tive certeza mais do que nunca do que queria ser. Eu queria ser como ele(s) !

A vida seguiu, Flavio foi traçando seu belo caminho na Academia do Tap formando sapateadores incrivelmente técnicos e “limpos”, e meu caminho também seguiu: quando ele foi deixando um pouco os palcos, eu é que fui para os palcos. Nos cruzávamos nos corredores, nos festivais, nas apresentações e ele sempre receptivo, alegre, profissional, simpático, colega-amigo, dedicado…

Uma perda sem tamanho para nosso sapateado que precisava tanto dele. No Rio — onde passamos por um momento onde a arte é meio deixada de lado — é sem dúvida uma perda inquestionável. Longe de servir de consolo, é preciso lembrar sempre que ele deixou muito, ele fez muito, ele iluminou os palcos da vida e a vida de muitos. Espero que consigamos manter essa chama da paixão do Flávio pelo sapateado viva na nossa cidade, nos nossos corações e nas nossas almas e que sempre devemos lembrá-lo com toda a sua importância na história do sapateado no Brasil.

É dificl escrever mais alguma coisa… ainda é difícil entender e aceitar… E, se fosse para escolher ou homenagear, sua partida no dia 25 de maio, Dia Internacional do Sapateado, o deixará mais do que para sempre marcado em nossa história: dia 25 de maio de 2011, Dia Nacional do Sapateado…

Cíntia Martin, 26.05.2011

%d blogueiros gostam disto: