Archive for the ‘Revista Veja’ Category

Happy Feet – Revista Veja

Publicado no último fim de semana da revista Veja (edição 1983, com data de capa de 22 de novembro de 2006):

A ginga do imperador

No excelente Happy Feet, um grupo de pingüins rejeita um filhote que não sabe cantar – só sapatear

(Isabela Boscov)

O australiano George Miller produz pouco (nove longas-metragens) e dirige menos ainda (apenas sete filmes, desde 1979). Mas, quando faz qualquer uma das duas coisas, costuma mostrar a que veio. Como em “Mad Max”, que inventou a aventura pós-apocalíptica, ou em “Babe – O Porquinho”, um dos melhores filmes infantis já realizados. Agora, depois de quase cinco anos de trabalho insano, Miller repete o feito: “Happy Feet – O Pingüim” (Happy Feet, Austrália/Estados Unidos, 2006), que estréia nesta sexta-feira no país, é um desenho absolutamente original – um musical e uma comédia que evoluem para o épico e a tragédia, numa animação de beleza extraordinária. (Aliás, original também por ter entrado em produção antes do documentário A Marcha dos Pingüins.)

Miller parte de um dado real – o de que cada pingüim imperador desenvolve uma “voz” distinta. Em seu filme, cantar bem (de Queen e Prince a Frank Sinatra) é o orgulho dos imperadores, e a razão pela qual Mano já sai do ovo como um pária: seu canto é medonho. Mano só sabe se expressar sapateando, algo de que os imperadores nunca ouviram falar e que imediatamente rejeitam. Organizados numa sociedade puritana e conformista, eles acham que sacudir os quadris, ou apenas os pés, é uma profanidade.

Happy Feet começa, então, como uma história clássica – a do filhote rejeitado –, sobre um pano de fundo que lembra os primeiros tempos do rock, quando os Estados Unidos se escandalizaram com os meninos brancos que aderiam à tradição negra do ritmo. Daí prossegue para a jornada heróica de Mano, que o levará a conhecer uma comunidade latina de pequenos pingüins de Adélia, a ouvir as profecias de um grupo de elefantes-marinhos fatalistas e, finalmente, a descobrir que a escassez de alimento, que os anciãos atribuem ao seu nascimento, é na verdade resultado da ação de seres que se movem em colossais engenhos flutuantes, nos quais apanham quantidades infinitas de peixe. Mais ou menos como Ulisses, o jovem Mano se verá preso numa ilha estranha (um oceanário), e então empreenderá uma volta não apenas triunfal, mas também reveladora.

À medida que os horizontes de Mano se ampliam, cresce também a ambição do filme – até ele se tornar verdadeiramente grandioso, como na imagem dos pesqueiros em meio à bruma ou na seqüência em que o imperador enfrenta o ataque de duas baleias. Estreante em desenho, o diretor levou para Happy Feet sua capacidade singular de conceber mundos vivos e inteiros. A exemplo do deserto nuclear de Mad Max ou da perfeição pastoral de Babe, sua Antártica é ao mesmo tempo realista e impregnada de assombro. O que multiplica esse efeito, porém, é o contraponto com a intimidade e o detalhe com que os personagens são retratados – aquele “fator fofura” de que nenhum desenho comercial pode (ou quer) prescindir.

Fonte: Revista Veja, Edição 1983.

%d blogueiros gostam disto: